quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Um conto africano

Uzulu Migabwe era um homem honesto.

Não gastava mais do que podia, economizava para comprar sua casa e carro e procurava ajudar seus vizinhos, sempre que algo não ia bem na cidadezinha em que morava.

Sua forma simples e franca de viver lhe rendeu muito mais do que ele podia esperar. A comunidade precisava de um representante, no comitê político local e Uzulu era a pessoa certa, ao ver dos que o circundavam.

Convencido por seus amigos, Migabwe ingressou na política. Sua aura de integridade era a propaganda necessária, num ambiente essencialmente corrupto em que até pessoas eram literalmente vendidas, como escravas, favores eram trocados por dinheiro e recursos públicos eram perdidos pelos meandros da propina e da imiscuição, nos negócios público, dos interesses escusos de criminosos que dominavam o Estado.

Uzulu galgou cargos importantes, rapidamente, cercado que sempre estava de um pessoal legitimamente interessado em melhorar a sociedade em que viviam, depurando a maldade e a cobiça e se transformando numa dor de cabeça dos que defendiam o status quo, importante para manter o fluxo de dinheiro proveniente de impostos, para os bolsos particulares de escroques que dilapidavam o tesouro popular, impedindo a construção de escolas, estradas e hospitais.

Demorou um pouco, mas Uzulu conseguiu milagrosamente chegar à condição de prefeito. Seu governo, bem aconselhado, revelou-se uma dádiva para os seres humanos que sobreviviam a duras penas, naquelas paragens. Medidas simples, como encanamento de água de um rio distante, para uma bica no centro do município, trouxe a água para muito mais próximo do que costumava ser, sob a administração anterior. Cozinhas coletivas facilitavam a cocção dos alimentos. Fossas foram cavadas. Biodigestores produziam gás a partir de dejetos colhidos de humanos e animais. Para evitar moscas, tudo era aproveitado, até como adubo e o lixo que não servia para isso era reciclado, criando um novo mercado de trabalho. Nas fazendolas que cercavam a cidade, a construção de cisternas, com ampla participação de homens e mulheres cansados de tanta estiagem, permitia a armazenagem do líquido precioso em épocas menos dadivosas de chuvas.

A localidade, mesmo sendo pobre, progrediu. Menos gente passava fome. Uzulu era um nome que se pronunciava sempre, com admiração.

Os facínoras, no entanto, como é de se feitio ao redor do mundo, inventaram que Uzulu tinha obtido a casa em que morava com recursos do governo, ilicitamente obtido em tramóias e roubos de toda a sorte. A história foi tão bem armada que havia até documentos falsos para “provar” o que era dito. Uzulu foi preso. A imprensa da região, comprada, noticiou que o conhecido benfeitor era na realidade o pior dos bandidos.

Uzulu só não perdeu sua morada porque seus documentos eram consistentes. Mas, inocente que era, inclusive do pondo de vista da forma de combater seus detratores, caiu em depressão e quase se suicida. Para o povo, parecia que seu antigo defensor não passava de mais um pulha, que os enganara... mesmo com todos os benefícios que estavam gozando, as pessoas se indignavam e se esqueciam facilmente do que eram suas vidas, antes de Migabwe.

Os amigos de Uzulu sabiam de seu valor. Mas o nome estava irremediavelmente destruído. Os fofoqueiros voltaram ao poder. Como é costumeiro em países subdesenvolvidos, demoliram todas as obras, não deram manutenção ao que não podia ser desfeito e logo a vila era, de novo, um antro de miséria no centro da África.

E... claro. A população, com a ajuda dos adversários, culpou Uzulu pelo castigo dos Deuses.

Essa história se repete todos os dias. Serve para nos alertar de que o mal existe, e, para nos livrarmos dele, como uma vacina, é preciso ter um pouco de seu DNA dentro de nós, para que possamos nos imunizar e, conhecendo-o e sentindo-o, afastá-lo com suas próprias armas, se necessário, ou usar habilidosamente suas forças contra ele mesmo, tal e qual a filosofia do judô.

Um mestre da paz tem também de ser um mestre da guerra, se quiser continuar fazendo o bem e não ser destruído pelo mal.

Um comentário:

eusintoalgo disse...

Olá.
Navegando pela net encontrei um comentário seu em um post de um blog rs
Sei que parece meio sem nexo, mas é que gostei muito do comentário e queria publicá-lo.
Estou criando meu blog agora e seu comentário é excelente.
Seria neste blog e post: http://roberto-cavalcanti.blogspot.com/2007/05/o-mito-do-homossexualismo-na-grcia.html

Se autorizar ficaria muito grato.
Obrigado